Meu Tio Matou um Cara

Ficha técnica


Avaliação do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 1 votos

Vote aqui


País


Sinopse

Novo filme de Jorge Furtado arma uma trama de suspense e romance entre três adolescentes que tentam desvendar um crime passional supostamente cometido pelo tio de um deles (Lázaro Ramos).


Extras

Comentário do Diretor

Making of

Galeria de Fotos

Cenas Excluídas

Clip da música Soraya Queimada


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crítica Cineweb

16/12/2004

O diretor Jorge Furtado continua firme no seu projeto de fazer cinema jovem de qualidade. Consegue mais do que isso - faz filmes para adolescentes que não são proibidos para adultos. Foi assim em seu belo longa de estréia, Era uma Vez Dois Verões, continuou na mesma linha em O Homem que Copiava - visto por quase 700.000 espectadores. Neste terceiro longa, Meu Tio Matou um Cara, Furtado associa-se a Guel Arraes no roteiro e a receita mantém o pique.

Desde o título, a história brinca com a tentativa aflita dos adultos para manter as aparências diante de uma situação-limite, compensada pela ironia e a clareza com que os adolescentes percebem e analisam tudo, não raro melhor do que os pais. Parte-se de uma família de classe média balançada por um crime. O tio que matou o cara é Éder (Lázaro Ramos), aquele típico indivíduo que nunca deu muito certo em atividade nenhuma e toda hora se apaixona pela pessoa errada. Desta vez, foi Soraia (Débora Secco), escultural mulher casada, de quem Éder mata o marido num confronto muito mal-contado.

Para o irmão mais velho de Éder, Laerte (Ailton Graça) e sua mulher, Cléa (Dira Paes), é o fim do mundo. Para o filho do casal, Duca (Darlan Cunha), abre-se oportunidades para muitas descobertas. Parte de uma geração alimentada desde o berço pelos gibis e seriados de tevê, Duca é capaz de conselhos preciosos sobre como Éder e seus pais devem lidar com o problema.

A notícia inesperada coloca Duca em evidência em sua escola - e não de maneira negativa. Nestes tempos em que a notoriedade é um valor em si, ter um tio nos noticiários é motivo de prestígio, independentemente do motivo. Sem contar que as pontas soltas no depoimento do tio estimulam Duca e seus melhores amigos, Isa (Sophia Reis) e Kid (Renan Gioelli), a brincar de detetives.

O trio de amigos vive também a ambigüidade de um triângulo amoroso não-declarado, às voltas com o despertar da sexualidade. Tal como acontecia em Era uma Vez Dois Verões, Furtado revela os sentimentos divididos dessa idade com uma sinceridade magnífica. O desenvolvimento da narrativa acredita na inteligência de quem vê, apoiado em atuações de uma naturalidade que nunca perde a forma.

A questão racial, mais uma vez ventilada, como em O Homem que Copiava, é abordada de forma impecável, já que normaliza a presença de negros na classe média e a convivência entre todas as cores do arco-íris nacional sem chamar a atenção para isso nem fazer discurso.

Neusa Barbosa


Deixe seu comentário:

Imagem de segurança