ABC África

Ficha tcnica

  • Nome: ABC África
  • Nome Original: ABC Africa
  • Cor filmagem: Colorida
  • Origem: Irã
  • Ano de produo: 2001
  • Gnero: Documentário
  • Durao: 84 min
  • Classificao: 12 anos
  • Direo: Abbas Kiarostami
  • Elenco:

Avaliao do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 1 votos

Vote aqui


Pas


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crtica Cineweb

31/01/2003

Em 1994, a foto de uma criança esquálida agonizando de fome no Sudão e, ao seu lado, um urubu à espreita foi capa dos principais jornais do mundo e rendeu ao fotógrafo Kevin Carter o prêmio Pulitzer. "Tragédia e violência produzem imagens fortes. Somos pagos para isso. Mas há um preço embutido em cada imagem dessas: um pedaço da emoção, da vulnerabilidade, da empatia que nos torna humanos se perde a cada vez que acionamos o botão da câmera", declarou o fotógrafo. Três meses depois de ser premiado, aos 33 anos, ele próprio pagou seu preço se suicidando. Ao voltar os olhos do mundo para a tragédia africana, a foto mostrou a cara da morte no continente.

No sentido contrário, caminha o cineasta iraniano Abbas Kiarostami (Gosto de Cereja, Através das Oliveiras e O Vento nos Levará) em ABC África, primeira fita rodada fora de seu país e realizada durante uma visita a Kampala (Uganda), a convite do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (IFAD), associação humanitária mantida pela ONU. O diretor e o assistente Seifollah Samadian, munidos de câmeras digitais, documentaram as atividades da Uwesco (Ugandas Women´s Effort to Save Orphans), entidade ugandense que auxilia mulheres que assumem órfãos das vítimas da Aids.

A dupla caminha pelo local captando as duras condições em que vive a população de Uganda, que contrastam com o intrínseco caráter musical do povo. Qualquer canção, seja tocada no rádio como cantada por corais escolares, é capaz de extrair passos desajeitados tanto de crianças como de pessoas idosas. A dureza da realidade africana opõe-se à beleza visual das multicoloridas roupas dos habitantes locais e dá ao documentário um aspecto bem particular.

Ousado, Kiarostami não tem medo de deixar a tela inteiramente escura por alguns minutos para dar ao espectador a exata noção da escuridão do local após o desligamento do gerador. Sem imagens, o filme se apóia, nesse momento, apenas em diálogos entre os membros da equipe que procuram o caminho de seus quartos, enquanto deixam uma reflexão importante: "a vantagem do ser humano é que ele se adapta à tudo".

Um outro aspecto bem interessante da fita é a intervenção da Igreja Católica em Uganda que torna a situação ainda mais assoladora num país onde cerca de 40% da população morre de Aids. Outdoors sobre preservativos têm partes coberta por pano preto e cartazes pregam aos jovens a virgindade. A mensagem que fica é a de que morrer por causa da doença é uma escolha.

Há também cenas inesquecivelmente duras como o corpo de uma criança sendo carregado por parente na garupa de uma bicicleta. No entanto, ABC África compartilha a esperança e o sorriso de um personagem que está sempre feliz, mesmo sem saber o motivo pelo qual exibe seus dentes careados. Ao contrário da foto de Kevin Carter, o filme de Kiarostami celebra a esperança e, mais do que isso, a vida, além de deixar claro que a carência dessas pessoas é menos de toneladas de alimentos e mais de iniciativas como a da Uwesco, no sentido de estimular o próprio potencial dos ugandenses, ensinando-os a poupar e administrar suas parcas economias e levantando a auto-estima através da crença de que são capazes, sim, de fazer algo por eles mesmos.

Cineweb-30/5/2002

Luara Oliveira


Comente
Comentrios:
  • 07/04/2011 - 11h31 - Por cris perfeitooooo
Deixe seu comentrio:

Imagem de segurana