Janela da Alma

Ficha tcnica

  • Nome: Janela da Alma
  • Nome Original: Janela da Alma
  • Cor filmagem: Colorida
  • Origem: Brasil
  • Ano de produo: 2001
  • Gnero: Documentário
  • Durao: 73 min
  • Classificao: 12 anos
  • Direo: Walter Carvalho, João Jardim
  • Elenco:

Avaliao do leitor

PéssimoRuimRegularBomÓtimo 0 votos

Vote aqui


Pas


Nota Cineweb

PéssimoRuimRegularBomÓtimo


Crtica Cineweb

30/01/2003

Dos sentidos humanos, o olhar é o mais inesgotável. Em contraste com a rapidez do som, a contemplação nunca se encerra e, para captar cada vez mais detalhes, pode-se voltar os olhos a um único objeto por infinitas vezes. Mas e aqueles que não dispõem, ou dispõem em parte, de meios para obter essa sensação? É esse mundo, captado a partir de uma outra perspectiva, que João Jardim e Walter Carvalho nos apresentam no documentário Janela da Alma.

Entre os depoimentos do Prêmio Nobel de Literatura José Saramago, do fotógrafo cego franco-esloveno Evgen Bavcar, do escritor João Ubaldo Ribeiro, da atriz Marieta Severo, da cineasta Agnès Varda e de outros, emergem momentos engraçados, curiosos e, alguns, realmente tocantes. O músico Hermeto Pascoal nos conta que, na infância, as meninas caíam de amores pelos seus olhos agitados e meio vesgos. O cineasta Wim Wenders também nos agracia com a lembrança da tentativa infantil em tatear a própria casa de olhos fechados para sentir o mundo da mesma maneira que sua adorada tia, cega. É dele também a afirmação de que, fora do enquadramento dos óculos, a realidade lhe parece excessiva.

Walter e Jardim tratam o assunto com conhecimento de causa já que juntos somam 15,5 graus de miopia. A idéia partiu do segundo durante um passeio noturno pela cidade de Nova York, quando, sem os óculos, constatou a beleza das imagens desfocadas. Por isso, o filme se rende a esse artifício, além da granulação excessiva em dados momentos, para recriar a atmosfera em que habitam as pessoas com problemas de visão.

No título, a dupla aproveita a máxima de Leonardo Da Vinci de que o olhar é a janela da alma, o espelho do mundo, premissa também usada pela filósofa Marilena Chauí em seu ensaio intitulado "Janela da Alma, Espelho do Mundo". Num tempo onde a poluição visual impõe o ritmo frenético da absorção das imagens, o filme nos revela uma outra maneira de enxergar, mergulhando em um universo pouco conhecido e desmistificando, assim, a falta de visão. Através de relatos, eles nos contam como se vêem, como enxergam os outros e o mundo e, sem que divisemos, acabam transformando a maneira como nós os vemos.

Cineweb-28/6/2002

Luara Oliveira


Deixe seu comentrio:

Imagem de segurana