III Paulínia Festival de Cinema

"5xFavela" e "Bróder" dominam premiações do festival de Paulínia

Alysson Oliveira
"5xFavela" e "Bróder" dominam premiações do festival de Paulínia
Com a exibição de "400 Contra 1 – Uma História do Crime Organizado", de Caco Souza, e a entrega dos prêmios Menina de Ouro no Theatro Municipal de Paulínia encerrou-se nesta quinta (22) o III Paulínia Festival de Cinema. Os filmes da seleção oficial concorreram a R$ 650 mil em prêmios.
 
“Estão subestimando a favela. Não façam isso,por favor”. Foi com essa fala que um dos sete codiretores de “5 X Favela” Rodrigo Felha agradeceu o primeiro prêmio do filme de melhor ficção pelo voto do público no III Paulínia Festival de Cinema, na noite dessa quinta. Pouco mais de uma hora e sete prêmios Menina de Ouro mais tarde, não havia dúvidas de que eles não foram subestimados. Gritos, pulos e abraços dominaram o palco quando parte da equipe e elenco do filme consagrou-se como melhor ficção, pelo voto do júri.
 
A produtora Renata Magalhães de Almeida fez um apelo ao público que consagrou “5X Favela”, e deve entrar em cartaz em circuito no próximo mês. “Não é nada fácil fazer cinema no Brasil. E foi muito difícil realizar esse filme. Queria pedir a vocês que falem para todo mundo que o filme é legal”.
 
A disputa parecia estar entre “Bróder!” e “5X Favela”, mas “Malu de Bicicleta” atropelou os favoritos e levou três prêmios, melhor atriz (Fernanda de Freitas), melhor ator (Marcelo Serrado) e melhor diretor, para Flavio Tambellini.
 
“Bróder!”, a estreia do curtametragista Jefferson Dê na direção de longas, de início se consagrou com o prêmio da crítica. “Aprendi a respeitar a crítica quando eu fazia escola de cinema com Paulo Emílio de Salles Gomes. É com muita honra que eu recebo esse prêmio”, frisou o cineasta. Minha mãe colocou um marcapasso há duas semanas. Eu não quis o testar trazendo-a aqui. Mas queria dizer para ela que seu filho é muito querido pela crítica”, vibrou.
 
Na categoria documentário, “Leite e Ferro” também surpreendeu, com melhor filme e direção (para Claudia Priscilla), pelo voto do júri, desbancando o elogiado “Uma noite em 67”, e o favorito do público “Lixo Extraordinário”.
 
O curta “Eu não quero voltar sozinho”, uma das sessões mais aplaudidas do Festival, saiu consagrado, com quatro prêmios, entre eles melhor curta nacional, para o público, crítica e júri. “É meio irônico, né? O filme é gay e eu estou levando para casa um monte de menina”, brincou o diretor e roteirista Daniel Ribeiro, fazendo um trocadilho com o nome do prêmio do Festival, Menina de Ouro.
 
O júri oficial de longa-metragens foi composto por Di Moretti (roteirista), Ana Luiza Azevedo (diretora e roteirista), Wilson Feitosa (sócio-fundador da Europa Filmes), Sergio Augusto (jornalista e escritor) e Barbara Paz (atriz). Formaram o júri de curtametragens Juliano Luccas (ator, diretor e roteirista), Cirtina Lago (atriz), Bia Barcellos (produtora cultural), Miguel Barbieri Jr (jornalista) e Simone Yunes (programadora do Cinesesc, em São Paulo).
 
Facadas, tiros, sangue jorrando em filme confuso
 
O longa “400 Contra 1”, de Caco de Souza, teve sua primeira exibição pública na noite de encerramento do III Paulínia Festival de Cinema. Em meio a tiros, facadas, golfadas de sangue e muitas, mas, muitas mesmo, idas e vindas no tempo, o público tenta entender como do confinamento de presos comuns e presos políticos no presídio da Ilha Grande resultou no Comando Vermelho.
 
Daniel de Oliveira, Daniela Escobar e Branca Messina encabeçam o elenco, mas não têm muito a fazer, pois a narrativa é confusa e truncada. Personagens secundários são descartados aos montes, mas isso não faz diferença, pois não tiveram tempo ou chance de deixar alguma marca na trama.
 
Em alguns momentos, “400 Contra 1” faz lembrar o cinema de Quentin Tarantino, sem uma pegada pop, mas com direito à frase do estilo “Todo mundo calado que isso é um assalto”, e a arma apontada para câmera, quase igual à cena de abertura de “Pulp Fiction – Tempos de Violência”.
 
Baseado no livro autobiográfico "400contra1 - Uma História do Crime Organizado" , de William da Silva Lima, o longa parece não se decidir se é um comentário social ou um filme policial banal, no qual a profusão de cadáveres parece maior do que o número evocado em seu título, que remete, aliás, a um episódio que não acontece com o protagonista.
 
A exibição de “400 contra 1”, previsto para estrear no próximo dia 6, fecha um Festival de altos e baixos, em sua seleção e debates. Fica, ao final, a sensação de que tenta contemplar um cinema mais autoral, como “Bróder!”, quanto um mais popular, como “Dores e Amores”.
 
 
Júri oficial:
Melhor Filme ficção: R$ 150.000
"5x Favela – Agora por Nós Mesmos", de de Manaira Carneiro, Wagner Novais, Rodrigo Felha, Cacau Amaral, Luciano Vidigal, Cadu Barcellos, Luciana Bezerra
Melhor Documentário: R$ 50.000
"Leite e Ferro", de Claudia Priscilla
Melhor Diretor ficção: R$ 35.000
Flavio Tambellini, por "Malu de Bicicleta"
Melhor Diretor Documentário: R$ 35.000
Claudia Priscilla, por"Leite e Ferro"
Melhor Ator: R$ 30.000
Marcelo Serrado, por "Malu de Bicicleta"
Melhor Atriz: R$ 30.000
Fernanda de Freitas, por "Malu de Bicicleta"

Melhor Ator coadjuvante: R$ 15.000
Marcio Vitto, por "5x Favela – Agora por Nós Mesmos" , episódio "Acende a Luz"
Melhor Atriz coadjuvante: R$ 15.000
Dila Guerra, por "5x Favela – Agora por Nós Mesmos" , episódio "Acende a Luz"
Melhor Roteiro: R$ 15.000
Rafael Dragaud, por "5x Favela – Agora por Nós Mesmos"
Melhor Fotografia: R$ 15.000
Gustavo Hadba, por "Bróder"
Melhor Montagem: R$ 15.000
Quito Ribeiro, por "5x Favela – Agora por Nós Mesmos"
Melhor Som: R$ 15.000
Miriam Biderman e Ricardo Reis, por "Bróder"
Melhor Direção de arte: R$ 15.000
Alessandra Maestro, por "Bróder"
Melhor Trilha Sonora: R$ 15.000
Guto Graça Melo, por "5x Favela – Agora por Nós Mesmos"
Melhor Figurino: R$ 15.000
Marcia Tacsir, por "Desenrola"
Especial Júri: R$ 35.000
"Lixo Extraordinário", de Lucy Walker, João Jardim e Karen Harley
Filme de curta-metragem - Nacional:
Melhor filme: R$ 25.000
"Eu Não Quero Voltar Sozinho", de Daniel Ribeiro
Melhor Direção: R$ 15.000
Cesar Cabral, por "Tempestade"
Melhor Roteiro: R$ 10.000
Daniel Ribeiro, por "Eu não quero voltar Sozinho"
Filme de curta-metragem - Regional:
Melhor filme: R$ 25.000
"Depois do Almoço", de Rodrigo Diaz Diaz
Melhor Direção: R$ 15.000
Jonas Brandão, por "Um Lugar Comum"
Melhor Roteiro: R$ 10.000
Elzemann Neves, por "Depois do Almoço"
Júri Popular:
Melhor longa ficção: R$ 25.000
"5x Favela – Agora por Nós Mesmos", de de Manaira Carneiro, Wagner Novais, Rodrigo Felha, Cacau Amaral, Luciano Vidigal, Cadu Barcellos, Luciana Bezerra
Melhor documentário: R$ 15.000
"Lixo Extraordinário", de Lucy Walker, João Jardim e Karen Harley
Melhor curta metragem nacional: R$ 5.000
"Eu Não Quero Voltar Sozinho", de Daniel Ribeiro
Melhor curta-metragem regional: R$ 5.000
"Meu Avô e Eu", de Cauê Nunes
Prêmio da Crítica
Melhor curta-metragem:
"Eu Não Quero Voltar Sozinho", de Daniel Ribeiro
Melhor longa-metragem:
"Bróder", de Jeferson Dê

Deixe seu comentário:

Imagem de segurança