Festival de Berlim 2014

O universo masculino visto pelo olhar sensível de Karim Aïnouz

Plínio Ribeiro Jr., de Berlim

Após a conquista do Urso de Ouro pelo filme Tropa de Elite em 2008, o Brasil volta à corrida pelo cobiçado prêmio com o mais recente filme de Karim Aïnouz, Praia do Futuro, estrelado por Wagner Moura, Jesuita Barbosa e pelo alemão Clemens Schick. Apresentado nesta terça-feira à imprensa, o filme retrata a trajetória de Donato (Wagner Moura), salva-vidas em Fortaleza,  cujo porto seguro é a praia do futuro, a partir de onde ele se lança em águas atlânticas. Um verdadeiro Aquaman aos olhos de Ayrton, seu irmão mais novo.
 
Todavia, o herói é abordado não apenas pelos seus super-poderes, mas também através de sua condição de outsider e de sua melancolia. Um acidente com um banhista coloca Konrad em seu caminho e o envolvimento amoroso entre os dois é o estopim da decisão de Donato de abandonar o Brasil para instalar-se em Berlim - cidade onde o futuro não encontra eco numa praia e deve ser construído através do salto rumo ao desconhecido.
 
Ao estruturar o filme em três partes (vida brasileira de Donato, chegada em Berlim e visita do irmão dez anos depois), Karim nos mostra de que maneira os movimentos de Donato encontram-se enraizados em um terreno mais existencial do que geográfico. Trata-se de uma obra econômica em seus diálogos e muitas das perguntas vêm à tona não para serem respondidas mas sobretudo para que cada personagem nos dê indícios de suas inquietações e urgências. Os silêncios pontuam a errância do olhar e valorizam os momentos de explosão, como aquele em que Ayrton já adulto (vivido por Jesuita Barbosa) desembarca em Berlim em busca de uma explicação para o desaparecimento do irmão.
 
É um filme essencialmente masculino, mas a masculinidade encontra-se naquilo que possui de mais sutil e metafórico. Está, portanto, desconectada de seus clichês mais superficiais em prol de uma abordagem mais instintiva e profunda. Sem esquecer que não é apenas Donato que possui um alter-ego no mundo dos super- heróis : Konrad seria o Cavaleiro Solitário e Ayrton, Speed Racer.
 
Uma jornalista russa ressaltou na coletiva a reação de alguns conterrâneos seus diante das cenas sensuais entre o casal formado por Wagner Moura e Clemens Schick, levando Wagner a destacar que gostaria que este contexto (um casal formado por dois homens) torna-se secundário em relação à história de amor em si, mas que se o filme servir para suscitar o debate em países como a Rússia, ele estará orgulhoso por aquilo que seu personagem representa. Se considerarmos que o presidente do júri, o produtor James Schamus, é o responsável por filmes como Brokeback Mountain e o Banquete de Casamento, pode-se esperar que este aspecto da trama possa contar pontos positivos na apreciação do filme.
 
Além disso, é um trabalho em que elementos autobiográficos do diretor encontram-se em primeiro plano. Se Fortaleza é a cidade natal de Karim e o bairro Praia do Futuro (de onde o nome da praia) faz parte de suas memórias de infância, Berlim, por sua vez, é a cidade onde ele reside atualmente, fazendo com que a vida de Donato desbrave horizontes que estão enraizados nos do diretor. A partir de agora, resta esperar que a estreia mundial na cidade represente bons presságios no que diz respeito ao surgimento de algum Urso no horizonte do filme.

Deixe seu comentário:

Imagem de segurança