FESTIVAL DE CANNES

Saem os primeiros prêmios paralelos em Cannes

Neusa Barbosa, de Cannes

Foi anunciada hoje a premiação da seção Un Certain Regard, em que venceu o Grand Prix o documentário L’Image Manquante, do veterano cambojano Rithy Panh. O prêmio do júri foi atribuído ao palestino Omar, de Hany Abu Assad (diretor de Paradise Now).

O francês Alain Guiraudie venceu como melhor diretor pelo filme L’Inconnu du Lac. Ficou para o mexicano Diego Quemada-Diez o prêmio Un Certain Talent (um certo talento, fazendo trocadilho com o nome da seção) para o elenco do drama sobre imigração La Jaula de Oro. A produção norte-americana Fruitvale Station, do estreante Ryan Coogler (que venceu Sundance) levou o prêmio do futuro.

Fipresci
A premiação da Fipresci (Federação Internacional dos Criticos) também foi anunciada, destacando três filmes, o francês  La Vie d’Adèle, de Abdellatif Kechiche (seleção  oficial), Manuscripts don’t Burn, do iraniano Mohammad Rasoulof (Un Certain Regard) e Blue Ruin, de Jeremy Saulnier (Semana da Critica).
 
Cinéfondation
Na seção Cinéfondation, que seleciona trabalhos de conclusão de faculdades de cinema de todo o mundo, foram três os premiados pelo júri presidido pela cineasta Jane Campion: o primeiro lugar, para Needle, de Anahita Ghazvinizadeh; em segundo, En Attendant le Dégel, de Sarah Hirtt; e em terceiro, Pandy, de Matus Vizár.

Deixe seu comentário:

Imagem de segurança