"Febre do rato", de Claudio Assis", é o grande vencedor de Paulínia

Vida e obra de Renato Russo chegarão ao cinema em quatro filmes

Alysson Oliveira

Vida e obra de Renato Russo chegarão ao cinema em quatro filmes
O cinema está descobrindo Renato Russo. Foi lançado no 4º Paulínia Festival de Cinema o documentário Rock Brasília - Era de Ouro, de Vladimir Carvalho,  que, embora não seja especificamente sobre o líder do Legião Urbana, morto em 1996, destaca-o na cena do rock brasiliense. Além deste filme,  uma biografia baseada na vida do cantor está sendo rodada no Polo de Paulínia; outro, inspirado na canção “Faroeste Caboclo” acabou de ser concluído. Além destes, a mãe do cantor, Carmem Manfredini, disse que a atriz e diretora Denise Bandeira está trabalhando num roteiro baseado na música “Eduardo e Mônica”. 
 
“Liberar os filmes é uma forma de retribuir aos fãs que até hoje gostam muito do Renato e de sua obra”, disse Carmem, neste domingo, no Festival. Ela conta que sua reação, ao ver o documentário na noite de sábado, foi de lembrança e descoberta. “Muita coisa me deixou de cabelo eu pé. Eu não sabia de tudo que está no Rock Brasília. O documentário é resposta e agradecimento às pessoas que gostam do meu filho e do Legião”. Em Somos tão jovens, de Antonio Carlos Fontoura (Gatão da meia idade), a mãe de Renato será interpretada por Sandra Corvelonni que, em 2008, ganhou o prêmio de interpretação feminina no Festival de Cannes por Linha de Passe, de Walter Salles e Daniela Thomas.  
 
Carmem Tereza, irmã de Renato, e também cantora, explica que a família acompanha os filmes de perto e que só liberou Faroeste caboclo quando achou um roteiro que a agradasse. “Acho bacana que os filmes levam para a tela não apenas o nome do meu irmão, mas de todo mundo que fazia música em Brasília naquela época”, disse.
 
 Rock Brasília traz uma entrevista que o diretor fez com o músico, no final dos anos de 1980, e estava inédita até hoje. Os trechos aparecem ao longo do filme e mostram um Renato Russo sagaz e bastante cínico e divertido, comentando sua carreira e a de seus amigos, que participavam de bandas como Plebe Rude e Capital Inicial. “Me sinto um pouco tio desse pessoal”,  brincou o diretor na coletiva. Ele é amigo de Briquet Lemos, pai de Fê e Flavio Lemos, membros do Capital Inicial.
 
Para quem acompanha a filmografia de Carvalho, que inclui obras como O Engenho de Zé Lins e O País de São Saruê, um documentário sobre rock pode soar estranho. Mas o diretor explica que há muito tempo está familiarizado com esse universo. “Meu irmão [o diretor de fotografia Walter Carvalho] é 14 anos mais novo do que eu e, na juventude, era roqueiro. Ouvi muito o ritmo dentro de casa”, brinca o diretor. “O rock não me é estranho. E não é de agora. Fazer documentário é apelo de foro íntimo. Eu sou como a carta do baralho do coringa, sirvo para abordar todos os assuntos”. 
 
O documentário Rock Brasília – A era de ouro está previsto para estrear nos cinemas em setembro.

Comente
Comentrios:
  • 29/08/2012 - 16h43 - Por lora eu amo reta
Deixe seu comentrio:

Imagem de segurana