Festival de Berlim

Homenagem ao cineasta Jafar Panahi sublinha a 61ª Berlinale

Plínio Ribeiro Jr., de Berlim

Tem início hoje a 61ª edição do Festival de Berlim, com a apresentação do mais recente filme dos irmãos Cohen, Bravura Indômita, tendo Jeff Bridges fazendo o papel que em 1969 deu o Oscar de melhor ator para John Wayne, na versão feita por Henry Hathaway. O filme, no entanto, não está entre os concorrentes ao Urso de Ouro.
 
O júri deste ano, presidido por Isabella Rossellini, terá que escolher até o próximo dia 20 qual dos 16 filmes em competição (abrangendo um total de 19 países) levará a recompensa máxima da Berlinale. Dentre os destaques da seleção estão The forgiveness of blood, escrito e dirigido por Joshua Marston (responsável pelo excelente Maria cheia de graça), The Turin horse, do húngaro Béla Tarr (The man of London)
 
Os únicos representantes da América Latina são El premio, coprodução mexicana, francesa, polonesa e alemã que marca a estreia de Paula Markovitch na direção de longas-metragens e Un mundo misterioso, coprodução entre Argentina, Uruguai e Alemanha, dirigida por Rodrigo Moreno. O Brasil está representado apenas nas mostras paralelas. Depois do Urso de Ouro concedido a Tropa de Elite em 2008, Tropa de elite 2 – o inimigo agora é outro será apresentado na mostra Panorama. Na seção Forum há o filme Os residentes, de Tiago Mata Machado, já exibido nos festivais de Brasília e Tiradentes. O curta-metragem Ensolarado, de Ricardo Targino – exibido no Festival de Paulínia 2010 - será apresentado na mostra desse formato.
 
Além do filme de Paula Markovitch, um outro primeiro trabalho promete causar sensação em Berlim : Margin Call, thriller de JC Chandor que disseca 24 horas dos bastidores dos investidores de grandes bancos e que conta com um elenco integrado por Kevin Spacey, Jeremy Irons e Demi Moore. Sem contar o mergulho na Roma Antiga feita em Coriolanus, estreia do ator Ralph Fiennes na direção
 
Os filmes em 3D serão representados pelo documentário Pina, de Wim Wenders, dedicado à coreógrafa e bailarina Pina Bausch ; Cave of forgotten dreams, documentário de Werner Herzog, que teve que lidar com vários obstáculos e burocracia para filmar na caverna de Chauvet Pont d’Arc onde, em 1994, descobriu-se o que podem ser as mais antigas pinturas rupestres do mundo. No formato, inclui-se ainda a animação Les contes de la nuit, do francês Michel Ocelot, que une a tecnologia à poesia da imagem.
 
Como é de costume, o festival de Berlim reforça seu engajamento em relação aos contextos geopolíticos do mundo. Depois que a sentença de prisão e de « limbo-artístico » foi decretada para o diretor iraniano Jafar Panahi, que havia sido convidado a integrar o júri da Berlinale, a direção do festival decidiu render-lhe uma homenagem através de uma retrospectiva de seus filmes, a começar por Fora de Jogo - que será apresentado em pleno aniversário da revolução iraniana, e também inspira um debate com cineastas e artistas iranianos sob o tema « Cinema Censurado », que ocorre no próximo dia 17.
 
Outros destaques do festival são a retrospectiva dedicada a Ingmar Bergman e a comemoração do 25° aniversário do Teddy Award, premiação dedicada aos filmes LGBT presentes em todas as seções.

Deixe seu comentário:

Imagem de segurança