A Viagem Imóvel

Dona Lindu ajuda diretor de “Avós”

Por Luiz Vita em 02/02/2010
Avós, do uruguaio Michael Wahrmann, que vive no Brasil desde 2004, é até agora o único curta brasileiro selecionado para o Festival de Berlim. Wahrmann não escondia sua felicidade ontem à noite ao mostrar o filme no Espaço Unibanco para uma concorrida platéia de convidados, equipe técnica e elenco do filme. Casado com uma brasileira e falando ainda com um pouco de sotaque, ele não escondia sua felicidade em mostrar o trabalho concluído. Filmado em Super 8 e premiado num festival de Curitiba, ele revelou que poucos acreditaram em seu projeto. Disse que até foi desencorajado por outros cineastas, que não viram na singela história que pretendia contar, elementos para um filme de verdade. Sem homenzinhos azuis e de rabo no elenco, ele só queria recriar uma pequena história de sua infância, vivida numa família judaica. Ou, mais resumidamente, uma festa de aniversário em família.
 
Mas o diretor, que estuda cinema em São Paulo, seguiu o conselho da mãe do presidente Lula, mesmo sem conhecê-la: ele teimou. Embarcou seu reduzido elenco em um pau-de-arara sentimental e concluiu o filme, que viajará de avião para  Berlim.
 
Avós é um filme singelo que conta uma história simples, aparentemente banal, mas que faz parte das memórias de uma criança. O trabalho do operador da câmera é criativo, pois a história está sendo contada por uma criança que parece estar registrando cenas domésticas no dia de seu aniversário. Além de tudo, o filme é temperado com boas pitadas de humor judaico. A montagem é de Luara Oliveira, que já “montou” muitas críticas de cinema no Cineweb antes de ir para Cuba, de onde voltou apaixonada por edição de imagens e com uma caixa de Cohiba, que me presenteou e já está quase no fim.